Follow by Email

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

O homem que enfrentou Cabral


Escrever esse texto não foi fácil. Precisei de um tempo para isso, não tinha como fazer antes: doía muito e não me sentia digna de tal tarefa. Decidi escrever para que outras pessoas conhecessem o grande homem do qual vou falar e sua trajetória não seja esquecida.
Jijokó era pajé Guarani, um xeramõi dos bons, pois curava muita gente. Era porque faleceu em 16/12/2011 enquanto visitava a família em Santa Catarina.
Além de pajé, com grandes poderes de cura e capacidade de transitar pelo mundo dos espíritos, Jijokó era um lutador. Esteve à frente e enfrentou com garra o processo de demarcação da aldeia Rio Silveira em Bertioga, resistiu à cooptação dos especuladores imobiliários que tentavam iludí-lo com grana e, depois de uma longa briga na justiça contra a rede de supermercados Peralta, ganhou a batalha e garantiu a terra para seu povo.
Com seu sorriso largo e olhar penetrante, me contou muitas histórias sobre sua vida, mitos, suas preocupações com o futuro e também sobre como se "tornou" pajé: 

"- Quando eu nasci, já veio o entendimento pra mim, já veio a sabedoria. Daí que é bom só comer uma alimentação leve para ficar ao lado dele, de Nhanderu", contava Jijokó. 

Jijokó em maio de 2011 (foto: Luciana Galante)

Numa ocasião em que o visitei, fui agraciada com um relato interessante sobre a luta pela terra e as dificuldades que ele enfrentara. No auge da conversa, da qual também participava sua esposa, ele dispara: 

"- Sabe por que tem esse problema com a terra? Sabe por que isso acontece? É tudo culpa do Cabral! O Cabral é amigo do Peralta" (a rede de supermercados). 

Em seguida sua esposa se dirige a mim e pergunta:

"- Mas faz tanto tempo que eu ouço falar desse Cabral, será que ele ainda está vivo?"

Na hora achei melhor dizer que não sabia, mas que achava que não.  
Essa conversa me ensinou que nem sempre o tempo é cronológico e as sociedades que vivem o tempo mítico, não linear, costumam incorporar os personagens históricos aos arquétipos, no sentido de modelos ideias. Nesse caso, como Cabral e Peralta provocaram desordens fundiárias, foram colocados em equivalência.  Viver o mito é, sem dúvida, uma forma de buscar a compreensão da natureza e do mundo, de entender como esse está organizado, o lugar que os homens nele ocupam, suas regras sociais e sobreviver às imposições da modernidade.

É Xeramõi, vou sentir saudades das nossas conversas...Avete!!